PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 08 de Novembro de 2018 - 08:33
Pecuaristas querem reduzir uso da água



 
 

A cena é corriqueira: você vai até o açougue, compra um quilo de carne bovina e segue sua vida. O que você não imagina é que, para garantir a produção destes bifinhos, foram usados 15,4 mil litros de água. O gasto pode parecer assustador, mas pesquisadores explicam que antes de se apavorar com o número e virar vegetariano, é possível entender melhor o que realmente significa este consumo. Ele considera todas as etapas da produção, desde o pasto até chegar nos açougues e supermercados, e também inclui a água proveniente de diversas fontes, desde chuvas até a captada por poços artesianos ou rios.

Agora, fica mais fácil também especificar de quais maneiras é possível reduzir esse volume e contribuir com um uso mais responsável e consciente do recurso. Entre as saídas estão melhorar a nutrição animal e até mesmo mensurar melhor o uso de água nas fazendas, por meio dos hidrômetros. Estes são alguns passos para melhorar a “pegada hídrica” e que já ganham adeptos entre os pecuaristas de Mato Grosso do Sul.

A necessidade de medir o consumo de água

Em 2010, um levantamento global feito por uma entidade internacional, a Water Footprint Network, revelou um número que até hoje causa espanto e preocupação à população, aos produtores rurais, às indústrias e demais interessados pelo tema: são utilizados, em média, 15,4 mil litros de água por cada quilograma de carne produzido no planeta.  O número já parece alarmante e, no Brasil, a problemática é um pouco mais complicada, já que a maioria das propriedades rurais não contam com hidrômetro - o aparelho com que se mede o consumo de água nos imóveis. “A gente acha que a água é importante, mas ainda não fazemos o básico, que é medir a quantidade utilizada”, questiona o pesquisador Julio Cesar Palhares, da Embrapa Pecuária Sudeste, que há anos se desdobra a estudar o uso de água na pecuária do País. 

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
21/08/2019 - 11:54  A 3 dias de competição, Rally dos Sertões muda visual na região central
21/08/2019 - 11:53  Mega-Sena pode pagar até R$ 31 mi nesta quarta
21/08/2019 - 11:42  Carretas batem de frente e deixam um morto na BR-163
21/08/2019 - 10:22  Homem é encontrado morto um dia após sair para caminhada
21/08/2019 - 10:19  Após ataques, polícia reforça a segurança no Jardim Carioca
21/08/2019 - 10:12  Governo perde metade da receita do ICMS do gás natural
21/08/2019 - 09:31  26° Sessão Ordinária na Câmara Municipal de Dois Irmãos do Buriti
21/08/2019 - 09:29  Reinaldo Azambuja participa de reunião do Corredor Bioceânico e recebe homenagem da Câmara
21/08/2019 - 09:17  Brasileiros são suspeitos de planejar atentado contra presidente do Paraguai
21/08/2019 - 09:10  TJ aprova recuperação judicial e Bigolin deve pagar R$ 29,6 milhões em dívidas
21/08/2019 - 09:07  Operação que prendeu integrante do PCC aconteceu após ameaças a PRF
21/08/2019 - 09:06  Quase meia tonelada de pasta base que saiu do MS é apreendida no Sul
21/08/2019 - 09:04  BNDES bancou compra do jatinho “Cheio de Charme”
20/08/2019 - 12:04  Sequestrador de ônibus é morto por atirador de elite na Ponte Rio-Niterói; os 37 reféns passam bem
20/08/2019 - 11:41  Ministro vem a MS para reunião sobre Corredor Bioceânico na quinta-feir
20/08/2019 - 11:36  BNDES financiou R$ 24 milhões em jatos a empresas com atuação em MS
20/08/2019 - 11:33  Adélio diz que esfaqueou Bolsonaro "após ouvir voz de Deus"
20/08/2019 - 10:11  Para CCR, chance de perder ação para revisão de contrato é “remota”
20/08/2019 - 10:08  Partidos de esquerda e centro articulam união para barrar radicais
20/08/2019 - 10:04  Equipe "X Rally Team": De olho no tetracampeonato
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE