PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 08 de Fevereiro de 2019 - 15:32
Cota Zero foi adiada para evitar 'chuva de processos', justifica Reinaldo



 
 

Cota Zero foi adiada para evitar 'chuva de processos', justifica Reinaldo

 
 

Em agenda pública nesta manhã no Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a falar da cota zero para o transporte de pescado retirado dos rios do Estado. Em outras palavras, o governador explicou que o adiamento da proibição vai evitar “chuva de processos”.

O chefe do Executivo estadual alega que como vários pacotes turísticos para a pesca nos rios de Mato Grosso do Sul já foram fechados para 2019, a proibição total do transporte de peixes geraria “insegurança jurídica”.

“Vamos fazer umas mudanças neste ano, principalmente na quantidade de peixe que pode ser transportado. Atualmente, são 10 kg mais um exemplar, mas vamos fazer uma redução nesta quantidade”, comentou sobre decreto que está sendo preparado para publicação na próxima semana.

Reinaldo explica que 2019 será um ano intermediário. “Já existe a consciência no setor, repovoar os rios e trazer mais turistas. A cota zero começa de forma irreversível em 2020. No futuro todos que comprarem pacotes saberão que é cota zero no Mato Grosso do Sul”.

Por fim, o governador disse que o decreto também trará mudanças nas regras dos tamanhos dos peixes que pode ser levados do Estado.

“Vamos aumentar o efetivo da PMA (Polícia Militar Ambiental) para melhorar a fiscalização. Existem pescadores com carteirinha de profissional e usam esporadicamente a carteirinha para pescar. Queremos coibir essa prática”, ressaltou.

Para completar, o presidente do Imasul, Ricardo Eboli, esclareceu outro ponto do decreto em fase final de redação. “Queremos direcionar os pescadores para os comuns e proteger os nobres”.

Segundo Eboni, o pacu, o dourado, o jaú e a cachara estão entre as espécies mais ameaçadas, por exemplo

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
24/06/2019 - 11:55  Delegado titular é preso após sumiço de 100 kg de cocaína; 9 já foram detidos
24/06/2019 - 11:53  Enquanto se discute a água, flutuação lidera visitas em Bonito
24/06/2019 - 11:52  Rombo da previdência estadual aumentará 50% no próximo ano
24/06/2019 - 11:51  Sabia que você ouve com o cérebro e não com os ouvidos?
24/06/2019 - 11:08  1° Campanha do Agasalho no Distrito de Palmeiras
24/06/2019 - 10:08  Traficante foge por milharal e abandona meia tonelada de maconha
24/06/2019 - 10:05  Trump diz que pode começar "grande deportação" em duas semanas
24/06/2019 - 09:59  Baleado pelo pai, jovem foge da Santa Casa com bala alojada no peito
24/06/2019 - 09:56  Jogos de hoje definem adversário do Brasil nas quartas de final
24/06/2019 - 09:48  Produção de Brangus comercial se consolida entre pecuaristas de MS
24/06/2019 - 09:45  Advogado defendeu esfaqueador de Bolsonaro de graça
24/06/2019 - 09:41  Estudante de Biologia desenvolve importante pesquisa sobre algas em Aquidauana
24/06/2019 - 09:37  Homem é executado a tiros durante festa junina na fronteira
24/06/2019 - 09:35  Investe Turismo será lançado em Bonito com recursos garantidos a MS
24/06/2019 - 09:29  Morre jornalista da TV MS Letícia Alves
24/06/2019 - 09:20  Homem de 55 anos morre engasgado após jantar
24/06/2019 - 08:59  Quina de São João pode pagar R$ 140 milhões; Mega-Sena acumula
24/06/2019 - 08:58  Última semana para licenciar de veículos com placas com final 4 e 5 em MS
24/06/2019 - 08:57  Homem é preso depois de xingar vizinho e ofender policiais militares em Aquidauana
19/06/2019 - 13:15  Governo equipa Polícia Ambiental para reforçar fiscalização nos rios de MS
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE