PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 11 de Janeiro de 2018 - 13:27
Sem correção, defasagem da tabela do IR sobe para 88,4%



 
 

Tiago Queiroz/Estadão Faixa de isenção atual vale para quem ganha até R$ 1.903,98, mas se corrigida, subiria para R$ 3.556,56, diz sindicato

 
 

Mesmo com o processo de queda da inflação, a defasagem da tabela de incidência do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) acumula 88,4% desde 1996, segundo o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional). 

        + ESPECIAL: GUIA DO IMPOSTO DE RENDA

Na prática, isso significa que a faixa de isenção do IR atual que vale para quem ganha até R$ 1.903,98, se corrigida, subiria para R$ 3.556,56.

Todo início de ano o sindicato retoma a pressão para que o governo envie ao Congresso Nacional proposta de correção da tabela pela inflação passada. Em 2016 e 2017, a tabela não foi corrigida.

Com a correção da tabela, a faixa de isenção do IRPF aumenta e os demais contribuintes pagam menos imposto. Em dezembro do ano passado, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acenou com a possibilidade de correção da tabela e dos benefícios do programa Bolsa Família.

Com a correção da tabela, o governo perde receita. Já com o reajuste do Bolsa Família o governo aumenta despesa, o que é mais difícil de ser administrado por conta do teto de gasto, instrumento que limita o crescimento das despesas. A perda de receita pode ser administrada com o aumento da arrecadação.

O IPCA fechou 2017 com alta 2,95%. De 1996 até hoje, a tabela foi corrigida em 109,63% enquanto a inflação acumulada no período foi de 294,93%, diz estudo do Sindifisco, divulgado hoje.

"O governo achata a renda do trabalhador. Obriga-o a pagar mais imposto, dinheiro que poderia ser mais bem aplicado - na poupança, no aprimoramento da formação educacional, no consumo etc.", criticou Cláudio Damasceno, presidente do Sindifisco Nacional.

Segundo o Sindifisco, a falta de correção não afeta somente o trabalhador de menor salário, mas todas as demais faixas salariais. "O prejuízo do contribuinte não ficou maior porque o IPCA de 2017 foi um dos mais baixos em quase 20 anos", alertou Damasceno.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
17/01/2018 - 12:00  Pré-custeio da safra 2018/19 deve chegar a R$ 12 bilhões
17/01/2018 - 11:00  Setor de mineração reage e movimenta R$ 1 bilhão em MS
15/01/2018 - 10:00  'Prévia' do PIB do Banco Central registra crescimento de 0,49% em novembro
15/01/2018 - 09:46  Setor de caminhões reage em 2017, mas fábricas operam com 25% da capacidade
15/01/2018 - 08:50  MS mira em estrangeiros para viabilizar fábrica de celulose
12/01/2018 - 10:00  MS renegociou R$ 3,6 bilhões em dívidas com União e BNDES
12/01/2018 - 09:26  Venda de materiais de construção aumenta 5% no Estado
10/01/2018 - 14:15  Se gasolina, gás e luz só sobem, como a inflação foi tão baixa?
09/01/2018 - 10:00  Indústria nacional quer aumentar rendimento do combustível
08/01/2018 - 11:00  Mercado reduz previsão do PIB e de inflação de 2018, divulga BC
08/01/2018 - 10:30  A técnica japonesa para economizar 800 reais por mês e não se privar de nada
08/01/2018 - 10:00  Receita abre consultas a lote residual do Imposto de Renda
05/01/2018 - 15:43  Exportações de carne retomam crescimento que chega a 14%
05/01/2018 - 13:00  Produção de veículos sobe 25,2% no Brasil em 2017, diz Anfavea
05/01/2018 - 12:00  Produção de veículos sobe 25,2% no Brasil em 2017, diz Anfavea
05/01/2018 - 10:01  Impulsionada pela soja, exportação de MS soma US$ 4,7 bilhões em 2017
05/01/2018 - 10:00  Fundo de equilíbrio fiscal atraiu 638 empresas no Estado
05/01/2018 - 09:27  Caixa é autorizada a utilizar recursos do FGTS para reforçar capita
04/01/2018 - 08:02  Governo federal anuncia taxas mais atrativas para FCO
02/01/2018 - 14:41  Balança comercial em 2017 tem superávit de US$ 67 bilhões, o maior em 29 anos
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE